A curiosa origem dos Vibradores

Vibradores, brinquedo sexual mais popular surgiu para “curar” dores corporais, foi usado em consultas para “tratar” a histeria e foi vendido em lojas e catálogos décadas antes de se tornar um símbolo de prazer.

Há algum tempo, e quase por acaso, Um objeto com forma e tamanho semelhantes a um pênis real foi encontrado em um convento em Paris. A peculiar descoberta estava escondida no forro de uma poltrona, era de marfim e tinha um pequeno êmbolo onde era colocado um líquido para simular uma ejaculação. O achado não teve dupla leitura: no convento havia um edredom (erroneamente).

E foi muito particular. Embora seja difícil determinar a data, estima-se que tenha sido criado em Paris no século XVII e seja o mais antigo de que há registo. Os pesquisadores não conseguiram concluir com que líquido o êmbolo foi enchido, nem quem o utilizou (embora se suspeite, é claro, das freiras), mas esses dados não importam muito na anedota, o que mostra a ironia de a história do vibrador. 

Apesar de no convento ser – quem sabe – usado para fins sexuais, Este aparelho foi patenteado por um médico para aliviar as dores no corpo, foi vendido por catálogo e demorou muito para ser encontrado nas sex shops e se tornar um símbolo de prazer. Foram décadas de movimentos, fraudes, proibições e mudanças culturais para que ele se firmasse como o brinquedo sexual por excelência.

Vibradores a Origem
Vibradores a Origem

Erotismo? Pois não. Quando os primeiros vibradores foram patenteados no século 19, a palavra não tinha conotação sexual nem fazia parte de uma prática tabu. Você não precisava fazer o pedido online ou escondê-lo com culpa. O dispositivo tinha uso médico e fazia parte de uma terapia. Em 1870, o médico britânico Joseph Mortimer Granville inventou o primeiro vibrador eletromecânico para estimular os nervos enfermos de seus pacientes em consultórios. O dispositivo tinha o nome de percuteur e desempenhava várias funções. Pode ser colocado nas costas cansadas para aliviar dores musculares, na garganta para “curar” a laringite, no estômago de bebês com cólicas e no nariz para reduzir a pressão nos seios da face. O médico recomendou para todos os tipos de dor,

Duas décadas após a invenção do médico britânico, a americana Hamilton Beach lançou o primeiro vibrador elétrico à venda no mercado e o posicionou como o sexto eletrodoméstico a ser eletrificado. Não demorou muito para que se tornasse uma atração para a família e um elemento da vida doméstica. No catálogo de 1918 da Sears, Roebuck and Company, por exemplo, o vibrador era vendido na seção de eletrodomésticos e era definido como “um acessório muito útil e satisfatório para uso doméstico”. Os fornecedores o ofereciam a clientes de todas as idades e gêneros para resolver seus problemas com os benefícios “mágicos” da vibração. Eles foram comercializados em lojas, em catálogos e nas ruas.

Vibrador americano
Vibrador americano

A maioria foi voltada para o público feminino, mas também havia exclusivos para homens; um tinha até o formato de um cinto e era usado para estimular a circulação. Os fabricantes também distribuíram vibradores em massa para os músculos dos idosos e para estimular o crescimento do cabelo em homens carecas. Havia empresas que desenhavam seus próprios modelos e havia versões diferentes – com mais ou menos tecnologia – que eram vendidas como “máquinas de massagem antiestresse” em revistas de costura e catálogos. Também se acreditava que era bom para tratar problemas de fígado, estômago e crianças.

Então, onde está o sexo? Aparentemente em lugar nenhum. Os especialistas não chegaram a um consenso sobre se o vibrador também era usado para generalizar o autopromoção e garantem que, se tivesse uma ligação com o sexo, os próprios clientes o reivindicariam. Bem, o vibrador foi usado de forma mercadológica como uma espécie de pseudo terapia.

Benéfico para a histeria? Por muitos anos, foi afirmado que Joseph Mortimer Granville havia fabricado o vibrador também como uma ferramenta terapêutica para combater a histeria feminina, que era tratada com massagem pélvica (em outras palavras, masturbação). A histeria foi diagnosticada como doença até o século XX. Em 1895, os médicos afirmavam que uma em cada quatro mulheres sofria dessa doença e quase todas as doenças serviam para identificar o problema que o pai da psicanálise, Sigmund Freud, associava à repressão sexual. As pacientes “histéricas” sofriam de ansiedade, insônia, desmaios e eram internadas pelos maridos quando “causavam problemas”.

Veja mais em El curioso origen de los vibradores

Escrito por Portalpower

É pai de família, full stack na vida, gamer, apaixonado por tecnologia, gosta de silêncio e brownie com café ou Coca-Cola.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.